Notícias

Aberta votação para filiados decidirem sobre adesão ao movimento em defesa da recomposição inflacionária

Institucional | 18 de fevereiro de 2022

Autor: Erika Braz

Compartilhe esta notícia:


Após Assembleia Geral Extraordinária, que ocorreu na manhã desta sexta-feira (18), com transmissão ao vivo, o Sinditamaraty abriu votação para que os filiados possam escolher se querem ou não aderir ao movimento de defesa da recomposição inflacionária, semelhante ao que está sendo feito por outras carreiras do funcionalismo público federal.

Se você perdeu a transmissão ao vivo da Assembleia, assista aqui 

Durante a Assembleia, o presidente do Sindicato, João Marcelo Melo explicou que a situação está complicada. “Não houve previsão orçamentária para o aumento, a não ser para a categoria de segurança pública. Obviamente a maioria dos sindicatos não está contente com isso e começaram um movimento e é a isso que estamos interessados em agregar os novos esforços”. 

João Marcelo alertou que a discussão ainda não é a respeito de greve. “Se mais adiante houver algum tipo de mobilização neste sentido, nova Assembleia deverá ser convocada. Mas é importante que saibam que nossa participação indica um movimento político. Independentemente dos resultados obtidos este ano, nós vamos continuar brigando ano que vem e no ano seguinte pela valorização da categoria e recomposição de perdas. Essa pauta vai continuar sendo martelada enquanto tivermos forças”, declarou o presidente do Sinditamaraty. 

Presidente do Conselho de Gestão Estratégica (CGE) da entidade, Alexey van der Broocke, também participou da Assembleia e defendeu: “O poder aquisitivo do salário do servidor se desgastou muito. O Executivo resolveu separar R$1,7 bilhão para agregar o salário dos servidores, mas destinado especialmente ao pessoal de segurança. E, logicamente, o fato de você restringir esse valor nos leva a entender que devemos, sim, fazer um movimento. Está na mão de vocês a decisão de nossa participação neste movimento geral”, disse convocando os filiados.

A defasagem inflacionária, que se contabilizada de 2017 até 2022, já chega a 19,99%, como demostrou a apresentação feita pela assessora sindical Eliane Cesário. 
Há mais de um mês o governo federal promete, mas não ouve os representantes sindicais para negociação. “A categoria é livre para aderir e conduzir a forma de participação, inclusive enviando pauta própria. Não estamos falando de greve ainda. A Assembleia é para decidir se vamos aderir ao movimento pelo reajuste de 19,9%”, pontou a assessora. 

Confira apresentação feita pela Assessoria Sindical

A decisão será tomada por votação
Os sindicalizados deverão responder SIM ou NAO à seguinte pergunta: Você é favorável à adesão do Sinditamaraty ao movimento de defesa da recomposição inflacionária e à adesão ao calendário de paralisações e mobilização dos servidores públicos? 

A votação foi aberta às 11h desta sexta-feira, 18 de fevereiro – logo após o fim da Assembleia –, e vai até as 11h59 do domingo, dia 20 de fevereiro. Estão aptos a votar, os servidores filiados ao Sinditamaraty, ativos ou aposentados, em dia com suas obrigações sindicais.

Passo a passo para a votação
Para votar, siga este passo a passo:

1)     Acesse o link disponibilizado pelo Sindicado nas redes sociais do Sinditamaraty, no site e/ou enviado via e-mail;

2)    Faça o login com a senha criada em pleitos anteriores (caso seja sua primeira participação em votações do Sindicato, use como login e senha o seu CPF);

3)    Ao abrir a tela de votação, selecione a opção desejada (SIM ou NÃO) e clique em “confirmar voto”;

4)    Após o voto, aparecerá na tela a mensagem “O Seu voto foi registrado com sucesso!”;

5)    Uma mensagem deverá chegar em seu e-mail cadastrado (no momento da filiação) agradecendo a sua participação.

Sua opinião é muito importante para a tomada de decisão do Sindicato. 
VOTE AGORA! 

Atenção! Caso haja algum problema que impeça a votação, entre em contato via e-mail: contato@sinditamaraty.org.br. Lembrando que os filiados têm até domingo, dia 20, para decidir sobre a participação na mobilização dos servidores públicos federais. 
 


Leia também:
Entenda o que querem as entidades sindicais de servidores públicos com recentes manifestações e greves